terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

O Têrço [1970]


Por Fábio Cavalcanti

A banda, formada no Rio Janeiro, ganhou seu espaço no hall do rock progressivo mundial com o ótimo álbum "Criaturas da Noite" (1974). Mas, a nível de curiosidade, vale conferir esta primeira "bolachinha", que traz um grupo ainda imaturo e indeciso quanto à sua essência musical, mas certamente bastante promissor a longo prazo...


Em "O Terço", o trio suga ao máximo do rock clássico - especialmente dos Beatles -, do folk rock e até da MPB, em faixas como "Antes de Você... Eu", "Plaxe Voador", "Imagem", "Flauta", e na curiosa "Oh! Suzana". Infelizmente, acaba pisando na bola no excesso de "breguice" das orquestradas "Longe Sem Direção" e "Velhas Histórias", além da bestinha "Yes, I Do".



Se você curte algo mais progressivo, sugiro a ótima "Saturday Dream", o momento mais ousado e diversificado do álbum. Já a curiosíssima "Nã" nos faz imaginar uma espécie de Jethro Tull rural. Destaco ainda "I Need You", um inesperado funk/soul muito legal! Parte deste suíngue também se encontra na leve e minimalista "Meia Noite".


Tão curto quanto o álbum em questão (que possui apenas 30 minutos de duração) é o meu parecer final: um trabalho razoável, recomendado para curiosos e colecionadores, e que mostra apenas que o melhor do Terço ainda estava por vir...

Formação para esse álbum:

Sérgio Hinds - voz, guitarra
Jorge Amiden - baixo
Vinícius Cantuária - bateria


Dois detalhes interessantes. O primeiro é que o nome da banda nesse álbum (o primeiro da banda) era O Têrço como acento circunflexo, ganhando a nova grafia a partir do próximo álbum. O segundo foi que tão logo o álbum foi lançado, Flávio Venturini ingressou na banda assumindo os teclados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...