domingo, 14 de outubro de 2018

Canhoto da Paraíba - Pisando em Brasa [1993]

Yandex 192kbps


Por Eugenio em brazilianguitar.net

Francisco Soares de Araújo, cujo nome artístico é Canhoto da Paraíba, nasceu em 1927 (embora só tenha sido registrado em 1928) na pequena cidade de Princesa Isabel, interior da Paraíba. Canhoto da Paraíba é um dos três raros casos de violonistas e virtuoses brasileiros que tocam violão canhoto sem inverter as cordas.

Ele nasceu numa família musical e o violão era tocado por seu pai e compartilhado com outros membros da família. Canhoto sempre se interessou em tocar, mas não conseguia fazê-lo como se fosse destro e nem podia trocar as cordas, de maneira que acabou aprendendo sozinho e desenvolvendo sua própria técnica.

Músico muito talentoso, começou a criar suas próprias composições ainda novo, e valsas e choros eram seus estilos preferidos. Quando Canhoto Paraíba se mudou para o Rio de Janeiro, todos ficaram assombrados com sua técnica e a qualidade das suas composições. Seus choros têm um sabor nordestino e suas idéias harmônicas eram deveras interessantes e incomuns naquela época.

Infelizmente, Canhoto parou de tocar e compor devido a um derrame que o deixou parcialmente paralisado e comprometeu sua capacidade de tocar o instrumento.


1 - Pisando Em Brasa (Temas Incidentais - Asa Branca E Vassourinhas)
2 - Tá Quentinho
3 - Reencontro Com Paulinho
4 - Memórias De Sebastião Malta
5 - Lá Vai Barreira
6 - 19 De Março
7 - Mulher Rendeira
8 - Glória Da Relâmpago
9 - Lourdinha
10 - Escadaria
11 - Ilha De Santo Aleixo
12 - Codão Amigo

domingo, 30 de setembro de 2018

Tim Maia - Disco Club [1978]

Mega .flac


Por Topsify

Mesmo que você não esteja tão por dentro da carreira de Tim Maia, só precisa bater o olho nas faixas de "Disco Club" (1978) para entender toda a importância do álbum. Suas três primeiras canções, "A Fim de Voltar", "Acenda o Farol" e "Sossego", foram alguns dos maiores sucessos do cantor, e, hoje, o trabalho é considerado um dos mais importantes da sua carreira. Além de ter representado o histórico mergulho do soulman brasileiro na disco music, o álbum teve nas suas gravações alguns dos episódios mais conturbados do cara dentro de estúdio, nos quais a genialidade de Tim se sobressaiu a tudo e a todos! 

A simples escolha do cara por um álbum de disco music deu início às polêmicas, já que o estilo era visto pelos puristas como uma visão "branca" para gêneros de origem negra como funk e soul. Tim pensava diferente - via as batidas dançantes e os trajes extravagantes como algo "complementar" à sua cultura e não teve medo de assumir a responsabilidade, mostrando que também quebrava tudo no som das pistas! O caminho até o resultado final, porém, teve alguns percalços.

Tim reuniu um time de músicos realmente incrível em estúdio, desde o ainda jovem Pepeu Gomes até o cantor e compositor Hyldon e o produtor Guti Carvalho. No entanto, ainda faltava uma das partes mais importantes de qualquer trabalho de disco music: os arranjos orquestrais, que contagiavam tanto quanto as batidas ou as guitarras. Depois da recomendação de Guti, o cantor chamou o maestro argentino Miguel Cidras para trabalhar nos arranjos, mas o trabalho do portenho demorou para agradar o soulman - chegando a ocasionar o momento mais tenso do processo. 

Nas gravações das cordas de "Pais e filhos", capitaneadas por Cidras, Tim surtou com o que estava ouvindo e chamou Guti para conversar. O arranjo do argentino era muito semelhante à melodia da voz do cantor, deixando alguns momentos bastante confusos - não dava para diferenciar se era Tim cantando ou os instrumentos ressoando. Segundo o biógrafo Nelson Motta, o soulman falou exatamente: "Pô, Guti, já te falei pra não chamar esse cara, mermão. Ele faz esses arranjos quatro-quatro-meia e assim não dá pra cantar.” O grande problema é que o produtor havia esquecido o microfone do estúdio aberto, e Cidras e a orquestra inteira ouviram a reação do cantor.

No linguajar de Tim, "quatro-quatro-meia" significava algo "menor que cinco", pior que mais ou menos/medíocre - e todos sabiam o que o cara queria dizer. Depois das frases, a reação de Miguel Cidras foi imediata: ele saiu de dentro do estúdio gritando com Tim e o derrubou, começando uma confusão generalizada. Os ânimos demoraram a se acalmar, com os dois se debatendo no chão e xingando um ao outro. Quando enfim pararam, toda a equipe foi para uma salinha separada e passou por uma verdadeira DR, de onde saíram conclusões essenciais para a finalização do álbum. 

O cantor resolveu chamar o lendário maestro brasileiro Lincoln Olivetti para o restante das faixas, e os arranjos novos realmente se mostraram melhores - mais sofisticados, mas sem deixar de grudar na cabeça. No fim das contas, metade do disco ficou com o trabalho de Cidras e a outra com o de Olivetti - e uma verdadeira obra-prima nasceu. 

Tim Maia era assim: do meio da confusão e de mil polêmicas, emergia a genialidade! 


A1 - A Fim De Voltar
(Hyldon, Tim Maia)
A2 - Acenda O Farol
(Tim Maia)
A3 - Sossego
(Tim Maia)
A4 - Vitória Régia Estou Contigo E Não Abro
(Tim Maia)
A5 - All I Want
(Tim Maia)
B1 - Murmúrio
(Cassiano)
B2 - Pais E Filhos
(Arnaud Rodrigues, Piau)
B3 - Se Me Lembro Faz Doer
(Tim Maia)
B4 - Juras
(Tim Maia)
B5 - Jhony
(Tim Maia)

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Tim Maia [1977]

Mega .flac



8º álbum do síndico, um excelente álbum, vindo na mesma vertente do álbum anterior, muito Soul Groove e Funk, o destaque do álbum foi "Pense Menos", tema da Telenovela "Sem Lenço, Sem Documento" de 1977, "Venha Dormir em Casa" e "Não Esquente a Cabeça", foram sucesso garantido, o que rendeu uma grana para o Tim poder prensar o seu álbum em Inglês em 1978. os grooves são: "Verão Carioca" e "Flores Belas", mas no geral muito bom.


A1 - Pense Menos
(Paulinho Guitarra, Tim Maia)
A2 - Sem Você
(Paulinho Guitarra, Tim Maia)
A3 - Verão Carioca
(Paulinho Guitarra, Paulo Roquete, Reginaldo Francisco, Tim Maia)
A4 - Feito Para Dançar
(Paulinho Guitarra)
A5 - É Necessário
(Tim Maia)
A6 - Leva O Meu Blue
(Tim Maia)
B1 - Venha Dormir Em Casa
(Tim Maia)
B2 - Música Para Betinha
(Carlos Simões, Paulinho Guitarra, Reginaldo Francisco, Tim Maia)
B3 - Não Esquente A Cabeça
(Carlos Simões, Tim Maia)
B4 - Ride Twist And Roll
(Tim Maia)
B5 - Flores Belas (Instrumental)
(Tim Maia)
B6 - Let It All Hang Out
(Tim Maia)

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Sérgio Ferraz - Concerto Armorial [2014]

Yandex 320kbps


Por Sérgio Ferraz em Tratore

Concerto Armorial é o quinto CD do violinista e compositor pernambucano, Sérgio Ferraz. Neste CD, Ferraz apresenta seu Concerto Armorial para violino e orquestra composto e solado pelo próprio Sérgio Ferraz e acompanhado pela Orquestra de Câmara de Pernambuco. O concerto divide-se em três partes, cada qual com um ritmo característico pernambucano. Essa obra foi dedicada ao Escritor Ariano Suassuna. Além do Concerto, destaca-se também a Suite Ibérica, para violino, violão flamenco e percussão. Também a Suite Mouresca-Nordestina para rabeca e percussão e a Sarabanda Mouresca para rabeca solo.


1 - Travessia e Tormenta
2 - Festa na Aldeia
3 - A Chegada (Saudade)
4 - Sonata Romanesca
5 - Cortejo (abertura)
6 - Cantiga e Dança
7 - Armoriando
8 - Sarabenda Mouresca
9 - Mestre Salu (Brincadeira)
10 - Lamento
11 - Zumbi

sábado, 22 de setembro de 2018

Sérgio Ferraz - Dançando Aos Pés de Shiva [2011]

Yandex 320kbps


Por Sérgio Ferraz em Tratore

Dançando aos Pés de Shiva é o primeiro trabalho solo do violinista e compositor pernambucano Sérgio Ferraz. O CD contem 12 faixas autorais e foi todo produzido, arranjado e executado pelo próprio Sérgio que além do violino elétrico toca também no CD piano e teclados. O trabalho conta ainda com a participação do percussionista Jerimum de Olinda em 6 músicas do CD. Trata-se de um trabalho instrumental onde o violino elétrico é o instrumento solista explorando diversos timbres, e dialogando com a percussão.


1 - O Caminho Iniciático
2 - A Sublime Ciência e O Soberano Segredo - part 1
3 - A Grande Batalha de Arjuna
4 - O Conselho de Krishna
5 - Lamento
6 - Zumbi
7 - Deus dos Ventos
8 - Ventos Solares
9 - A Sublime Ciência e O Soberano Segredo - part 2
10 - Xaxado Eletroacústico

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Cálix - Caminhante [2017]

Yandex 320kbps



Um ser que se move, que vai em frente. Não há espaço pra outra imagem quando o nome caminhante é dito. É direto, sonoro, um sopro adiante. Como o mais novo trabalho do Cálix. Um calejado caminhante sabe como poucos usufruir de tamanha liberdade. Como nos versos da faixa-título: “Não vá duvidar de onde quer chegar. Tudo está em seu lugar. O que foi e o que será.” E é exatamente o que o quarteto experimenta nesse novo disco, que alterna as passadas entre o inglês e o português, podendo se dar ao luxo de encerrar a jornada com um tema instrumental com título em espanhol – Passeo por los Campos de Maiz. Seria um rock progressivo de curta duração ou um sonho delirante com a concisão de uma pop song?

Um caminhante costuma carregar uma bagagem de vida que ninguém vê. Afinal, seria ele um andarilho, um trabalhador, um sonhador, um fugitivo? Ou um pouco de tudo isso? Cada um que use seu leque pessoal de referências pra tentar decifrar os diferentes trechos percorridos por esse organismo vivo cheio de histórias, notas, acordes e segredos, traduzidos em música de ontem, hoje e sempre, aliás, o que melhor define algo ou alguém que está em progressão, caminhando sem parar.


1 - Barco À Vela
2 - Can You See It?
3 - Não Vou Além
4 - Mil Coisas
5 - Caminhante
6 - Go For it
7 - Sempre Assim
8 - Magic Summer
9 - Duality
10 - Valsa Pagã
11 - Passeo Por Los Campos De Maiz

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Egberto Gismonti - Sol do Meio Dia [1978]

Mega .flac


Por Márcio Aquino em Palavras Domesticadas

Egberto Gismonti é um músico que sempre me chamou a atenção. Seu trabalho é riquíssimo, e transita por várias vertentes musicais com grande desenvoltura. Multiinstrumentista, compositor e arranjador dos mais respeitados aqui e no exterior, Egberto tem uma discografia em que podemos encontrar diversas obras-primas. Possuo uma boa parte dessa discografia em vinil, e poderia enumerar vários de seus discos, mas vou destacar Sol do Meio Dia, de 1978. Na ocasião de seu lançamento, o crítico Roberto Muggiati escreveu a seguinte resenha, para a revista Manchete, intitulada O Xingu em Oslo:

"Não se pode falar no novo Lp de Egberto Gismonti, Sol do Meio Dia (EMI-ODEON), sem mencionar Manfred Eicher, dono das Edições de Música Contemporânea (ECM) e produtor deste álbum, gravado em Oslo. Esse jovem alemão, que já foi contrabaixista da Filarmônica de Berlim, lançou uma nova filosofia no mercado fonográfico: produzir 'música através de composições improvisadas espontâneas, em vez de colocar tudo no papel para ser executado por um intérprete clássico acadêmico'. Não só seu lema deu certo, como a ECM criou até um som próprio, embora dê aos músicos a maior liberdade, a ponto de permitir as edição de coisas como um álbum de dez LPs de Keith Jarrett, feitos exclusivamente de solos de piano. Chick Corea, Gary Burton, Pat Metheny e Jack Dejonette são outros jazzmen que separam o seu trabalho mais comercial, feito nos EUA, da parte pura que fazem, geralmente na Europa, com a ajuda de Eicher - e ajudando-o, também, pois a ECM se tornou um sucesso.

Depois de Dança das Cabeças, Eicher volta a Gismonti. E outros ecemistas acompanham o brasileiro neste Sol: Jan Garbarek (sax), Ralph Towner (violão), Collin Walcott (tabla) e Naná Vasconcelos (percussão). Gismonti toca violão, piano, flauta de madeira e canta. Esse LP coloca a questão típica nos casos dos álbuns da ECM: seria jazz? Parece ser música de vanguarda, sem a camisa-de-força de rótulos mais específicos.

Assim como Jarrett na ECM se afasta das raízes do jazz e pende mais para o erudito, Gismonti parece se distanciar do que seriam as raízes desse LP - 'dedicado a Sapaim e os índios do Xingu' - para operar num nível musical mais elaborado. Como ele mesmo escreve no Jornal Caipira que acompanha o disco, 'tem uma brecha entre a razão e a loucura/o acabado e o provisório/a natureza e a cultura/a vida e a arte. Vamos procurar'."


A1 - Palácio De Pinturas / Construçao Da Aldeia
A2 - Raga / Festa Da Construção
A3 - Kalimba / Lua Cheia
A4 - Coração / Saudade
B1 - Café
B1.1 - Procissão Do Espírito
B1.2  - Sapain / Sol Do Meio Dia
B1.3 - Dança Solitária No. 2 / Voz Do Espírito
B1.4 - Baião Malandro / Fogo Na Mata / Mudança

domingo, 16 de setembro de 2018

Egberto Gismonti - Solo [1979]

Mega .flac


A1.1 - Selva Amazonica
A1.2 - Pau Rolou
A2 - Ano Zero
B1 - Frevo
B2 - Salvador
B3 - Ciranda Nordestina

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Egberto Gismonti - Carmo [1977]

Mega .flac


A1 - Baião Malandro
A2 - Café
A3 - Educação Sentimental
A4 - Apesar De Tudo
A5 - Bodas De Prata
B1 - Raga
B2 - Feliz Ano Novo
B3 - Calypso
B4 - As Primaveras
B5 - Cristiana
B6 - Carmo/Hino Do Carmo/Ruth

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Hyldon - As Coisas Simples da Vida [2016]

Yandex 320kbps


Por Deck

Nos seus mais de 40 anos de carreira, Hyldon ajudou a escrever a história da soul music brasileira. Cantor, compositor, produtor, arranjador e musicista, ele lança no próximo mês, pela Deck, o álbum de inéditas “As Coisas Simples da Vida”.

O disco traz 10 músicas, todas produzidas e assinadas por Hyldon, sendo algumas com parceiros como Cris Delanno, Alex Moreira, o pianista Luiz Otávio e Alex Malheiros. “É um álbum que fala da família, da amizade, das memórias afetivas e das paixões. Esse disco tem muito de mim, todas as letras são minhas e, depois da experiência do último disco, 3 anos atrás, neste eu imprimi mais a minha marca, tanto na concepção musical como na produção. Deu muito trabalho, e agora que está pronto, me traz muito orgulho. Sensação de dever cumprido. ” – conta Hyldon.

O trabalho gráfico foi feito pelo designer Flavio Albino e pelo fotógrafo Daryan Dornelles, que captaram o espírito do disco. Além dos responsáveis pela arte, a banda que acompanhou Hyldon foi fundamental no projeto. “A participação dos excelentes músicos que trabalham comigo e se doaram ao projeto como se fosse seus próprios discos fez toda diferença. Levamos exatamente um ano nesse processo. É quase um disco de banda e o legal disso é que depois estaremos juntos no palco pra celebrarmos com o público nossas aventuras musicais” – conclui Hyldon.


1 - As Coisas Simples da Vida
2 - Depois do Inverno
3 - Música Bonita
4 - Um Trem Para Bangu
5 - Sábado Passado
6 - Papai e Mamãe
7 - O Raio do Amor
8 - Nosso Lar é Onde o Amor Morar
9 - Não Molhe os Olhos
10 - Todo Mundo é Dono Da Rua

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Gerson King Combo - Soul da Paz [2009]

Yandex 320kbps


1 - Deixe Sair O Suor
(Berico)
2 - Estou Voltando
(Djama Oliveira, Gerson King Combo, Tadeu Fernandes)
3 - Comunidade Positiva
(Berico)
4 - Eu Vou Pisar No Soul
(Djama OliveiraGerson King ComboTadeu Fernandes)
5 - Desce Daí
(Elcio, Gerson King Combo, J. Luiz, Pedrinho)
6 - Voltei A Ser Feliz
(Djama OliveiraGerson King ComboTadeu Fernandes)
7 - Soul Da Paz
(Berico)
8 - Vida De Favela
(Djama OliveiraGerson King ComboTadeu Fernandes)
9 - Pega
(Djama OliveiraGerson King ComboTadeu Fernandes)
10 - Bala Perdida
(Djama OliveiraGerson King ComboTadeu Fernandes)
11 - Good Bye
(D. Luiz, Nixon)

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Gerson King Combo - Mensageiro da Paz [2001]

Yandex 320kbps


Por Pedro Alexandre Sanches em Folha de S.Paulo

Houvesse nascido nos Estados Unidos, Gerson King Combo seria um pioneiro do rock feito Little Richard ou Chuck Berry, coberto de glória, aposentado, sumido e entupido de grana.

Aqui a sina é diferente, não só pelo subdesenvolvimento geral da nação como também porque ele foi um dos artistas que bateram pé em ser simplesmente americanizados, sem aderir aos cliques geniais de Jorge Ben e Tim Maia, que casaram blues e samba e funk e baião e soul e MPB.

"Mensageiro da Paz" traz de volta, tão tardiamente, aquela maneira peituda de ser. O funk é funk mesmo, sem caprichos de samba, muito menos do "funk" alienígena carioca.

Rende desde regravações ok das antiguidades até a pequena catarse moderninha de "Tudo É Possível" e o funk agora calmo e maduro da faixa-título, dividida com vocais inteiraços de Sandra de Sá, outra desgarrada do movimento black Brasil

Os esboços de reagregação da nação black da MPB por Gerson provam-se frutíferos, e a participação da quase sempre perdida Cidade Negra, na militante "Força e Poder", resulta em outro dos belos momentos do CD.

Os grooves de soul e funk orientam também a postura política pelo igualitarismo de Gerson. Se em 77 ela era ainda medrosa, algo subserviente ("os blacks não querem ofender a ninguém", cantava "Mandamentos Black", meio se desculpando pelo "atrevimento" de pedir espaço), na divertida "Desce Daí" King Combo solta todos os bichos.

Passa pito em surfistas de trem e torcidas violentas, chama skinhead de "nazista bundão", acha que pitboys e carecas têm "mais é que dar o... não sei o quê" e cria o funk simpatizante, achando que "quem gosta de comer, come, quem gosta de dar, dá, e tá tudo certo". Uma resposta velada a "Vale Tudo", de Tim Maia?

Sim ou não, fato é que a sombra de Tim assusta um pouco "Mensageiro da Paz". O lado baladão, hipertrofiado aqui, torna inevitáveis as comparações, e fica evidente que a voz de Gerson não tem, nem de longe, o alcance da do herói morto.

Seja como for, no balanço Gerson King Combo faz sua reestréia de queixo erguido. Não tem o status, o volume de obra e a conta bancária de James Brown ou George Clinton, mas dignidade, tino e coerência não se contam em dólar, mesmo.


1 - Brigas
2 - Mensageiro Da Paz
3 - Desce Ai
4 - Mandamentos Black
5 - Não Avance O Sinal
6 - Tudo E Possível
7 - Força E Poder
8 - Problema Social
9 - Eu Soul
10 - Uma Chance
11 - Persornal Trainer
12 - Só O Tempo
13 - Funk Brother Soul
14 - Pesornal Trainer (Play Back)

domingo, 9 de setembro de 2018

Gerson Combo e A Turma do Soul - Brazilian Soul [1970]

Yandex 128kbps


Por Fabiano Oliveira em Woodstock Sound

“Mais uma “pérola escondida” da música brasileira.

Quando esse disco foi lançado, o excêntrico e genial Gerson King Combo estava iniciando sua carreira e ainda buscava uma identidade. Naquele momento, seu cartão de visita era o fato de ser irmão do “Negro Gato”, o compositor Getúlio Côrtes e claro, por ter sido vocal de apoio de Wilson Simonal, Erlon Chaves e feito parte do grupo Fórmula 7. 

A idéia era aproveitar ao máximo o momento favorável da cena Black Music (e do Soul) aqui no país e também a certa popularidade de Gerson nos bailes blacks carioca. Para tal façanha, Gerson (e a gravadora) convocou os ótimos músicos da Turma do Soul para acompanhá-lo, além de Amaro e Os Diagonais que também participaram das gravações.

Em alguns anos, Gerson King Combo seria reconhecido com o “James Brown Brasileiro”, inclusive, com a admiração do próprio. Teve vários sucessos autorais que tocaram por muitos bailes do país em meados dos anos 70, como “Jingle Black” e “O Rei Morreu”, mas em Brazilian Soul, a fórmula escolhida (com muita esperteza) foi a de fazer versões, numa roupagem bem especial, de clássicos da música brasileira.

No primeiro instante, alguns podem ser assustar com o repertório do disco, com “O Teu Cabelo Não Nega” (Lamartine Barbo), “Mal-me-Quer” (Cristóvão de Alencar) e “Mulher Rendeira” (Zé do Norte). Ocorre que as versões são tão boas que essa resistência vai embora bem rápido, e o ouvinte, sem perceber, acaba curtindo o suingue dessas canções tão especiais.

As melhores releituras são “Quero Voltar Pra Bahia” (Paulo Diniz), “O Xote das Meninas” (Luiz Gonzaga) e “Is That Law” (Marcos Valle), mas vale citar também “Na Baixa do Sapateiro” (Ary Barroso), “Aos Pés da Santa Cruz” (Marino Pinto) e “Primavera” (Cassiano e Silvio Rochael, interpretada originalmente por Tim Maia).

Com o tempo, essa obra se tornou um dos grandes tesouros entre os apreciadores da boa música, inclusive no exterior. O LP é algo raríssimo, muito difícil de encontrar, assim como os demais álbuns do Gerson King Combo. Claro, quem tem o disco não se desfaz justamente por ser algo único e belo, muito rico em harmonia.

Vale a pena conferir esse trabalho, será no mínimo satisfatório. 

Viva Gerson King Combo, o artista que sempre acreditou no poder do Soul e da Black Music e pôde mostrar ao mundo sua música.”


A1 - Mulher Rendeira / Juliana / Fiz A Cama Na Varanda (Gerson Combo e Os Diagonais)
(António Adolfo, Dilú Mello, Hervé Cordovil, Ovidio Chaves, Tiberio Gaspar)
A2 - Aos Pés Da Santa Cruz (Gerson Combo e A Turma Do Soul)
(José Gonçalves, Marino Pinto)
A3 - Quero Voltar Pra Bahia (Gerson Combo e A Turma Do Soul)
(Odibar, Paulo Diniz)
A4 - Eu Sonhei Que Tu Estavas Tao Linda (A Turma Do Soul)
(Francisco Mattoso, Lamartine Babo)
A5 - Na Baixa Do Sapateiro (Gerson Combo e A Turma Do Soul)
(Ary Barroso)
A6 - Demais / Ninguém Me Ama / Ternura Antiga (Amaro e Os Diagonais)
(Aloysio De Oliveira, Tom Jobim, Antônio Maria, Dolores Duran, Fernando Lobo, J. Ribamar)
B1 - Xote Das Meninas (Gerson Combo e A Turma Do Soul)
(Luiz Gonzaga, Zé Dantas)
B2 - Is That Law (Gerson Combo e A Turma Do Soul)
(Marcos Valle, P. S. Valle)
B3 - Prece Ao Vento / Nunca Mais (A Turma Do Soul)
(A. Pires Vermelho, Dorival Caymmi, Fernando Luiz Câmara, Gilvan Chaves)
B4 - Mal Me Quer / Jardineira (Gerson Combo e A Turma Do Soul)
(Benedito Lacerda, Christóvão De Alencar, Humberto Pôrto, Newton Teixeira)
B5 - Teu Cabelo Nao Nega / As Pastorinhas (A Turma Do Soul)
(Irmãos Valença, João De Barro, Lamartine Babo, Noel Rosa)
B6 - Primavera (Amaro e Os Diagonais)
(Cassiano, Silvio Rochael)

sábado, 8 de setembro de 2018

Marcos Roberto [1970]

Yandex 320kbps


Também a pedido do colega Reginaldo Joaquim, disponibilizo o álbum de 1970 do Marcos Roberto. Se na postagem anterior do álbum de 1966 Marcos ainda transitava pela rock da jovem-guarda, nesse álbum ele trabalha exclusivamente na linha romântica.  A canção "Escreva-me" obteve enorme sucesso na época. Esse álbum foi relançando recentemente pelo selo Discobertas.


A1 - Qualquer Dia
A2 - Olha
A3 - Alguém Mentiu
A4 - Esperando
A5-  Não Vá Chorar Depois (Saved By The Bell)
A6 - Que Me Importa A Saudade
B1 - Eu Jurei
B2 - Você Está Livre
B3 - Quisera
B4 - Pra Sempre
B5 - Nada
B6 - Escreva-me

Marcos Roberto [1966]

Yandex 320kbps


A pedido de Reginaldo Joaquim, leitor do blog, compartilho esse álbum do Marcos Roberto com vocês. Álbum bem datado pela jovem-guarda que transita entre rock em música romântica. Não conhecia o artista mas para mim foi uma agradável experiência. 


A1 - Agora é Tarde
A2 - Vá Embora Daqui
A3 - Olhos Tristes
A4 - Bronca
A5 - Indiferença
A6 - Canção do Amor Perdido
B1 - Entre Sem Bater
B2 - Onda de Cangurú
B3 - Anjo Meu
B4 - Súplica
B5 - Fim de Sonho
B6 - Menina Sonho