sábado, 9 de janeiro de 2016

Leno - Meu Nome é Gileno [1976]

4shared 128kbps


Por Assênia Vinil Ossamo no Almanaque do Malú

Tendo uma coleção quase completa do rock nacional dos anos 60 aos 80, posso afirmar sem pestanejar: "Meu nome é Gileno" é um dos melhores discos do rock tupiniquim, em todos os tempos. Instrumental impecável, composições que grudam no ouvido, produção limpa, foi aclamado pela crítica e não vendeu tão bem na época de seu lançamento (1976), recebendo uma edição em CD em 1999, dentro da série "Jovem Guarda" da Sony. O discão tem várias misturas no caldo do rock, até resquícios da jovem guarda, mas definitivamente não é um vinil retardatário do movimento jovem sessentista, onde Leno se destacou já no seu final. Pra começo, tem participações e acompanhamento que não são pra qualquer um:a cozinha pesada da cultuadíssima banda O Peso, o ritmo de Paulinho Braga, um dos melhores bateristas brasileiros, a onipresença de Paulo César Barros, ele mesmo, lendário co-fundador da banda do irmão Renato nos Blue Caps, Dominguinhos, que não carece de apresentações e o encandescente Zé da Gaita, mito entre os músicos de todas as épocas. Com essa turma, dá pra segurar bem a fervura de qualquer caldo, mas Leno foi além: construiu um disco milimetricamente dosado, com partes iguais de peso, balada, saudosismo e veia roqueira. 

Letra viajante empacotando um boogie danado (Semente Cósmica), gaita e teclado ponteando saudades sessentistas (Jovem Guarda), rock nostálgico com guitarra arrepiante (Em busca do Sol), cuíca em perfeito casamento com o baixo e guitarra (Depois do Carnaval), country rock de primeira (Grilo City), balada arrasadora - caramba, o Fabio Junior dos tempos de "Ciranda, Cirandinha" apareceu uma ano depois e acabou perdendo a chance de gravar essa!! (Chuva do Amanhecer), versão honesta (Luar do Sertão) , versão a la Stones (Me Deixe Mudo), blues estradeiro (Amigo Velho) e pop romântico (Céu Dourado, do compositor Guilherme Lamounier, esse sim gravado pelo Fábio Júnior - só não sei se essa música também). 

"Meu Nome é Gileno" é um disco a descobrir e certamente será uma grata surpresa para muitos, principalmente para quem deixar de lado o preconceito em torno da grife "Jovem Guarda". Parem de bobagem! o potiguar Leno, ex-Jovem Guarda, ex-parceiro de Lílian, amigão de Raul Seixas e compositor-cantor-instrumentista de mão cheia, fez e faz até hoje um rock autêntico e apaixonado. E esse petardo aqui, meus caros, é um grande momento dos anos setenta. (Assênia "Vinil" Ossamo) - colecionadora e autora do livro inédito "Discos, Discos, Amigos à Parte".


A1 - Semente Cósmica
(Gileno)
A2 - Jovem guarda
(Gileno)
A3 - Em Busca Do Sol
(Alessandoro/Gileno)
A4 - Depois Do Carnaval
(Gileno)
A5 - Grilo City
(Gileno)

B1 -  Luar Do Sertão
(Catullo da Paixão Cearense)
B2 - Chuva do amanhecer
(Gileno)
B3 - Me Deixe Mudo
(Walter Franco)
B4 - Amigo Velho
(Gileno)
B5 - Céu Dourado

2 comentários:

  1. Infelizmente o link não está dando certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Encontrei esse link baixei normalmente. A única dificuldade é ter que ter cadastro no 4shared.

      Excluir